quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

A Garage dos Vinhos

Minha primeira vontade foi de me abraçar em uma caixa de vinho e levar para casa. Sim amigos essa é a vontade que muitos possuiem ao ir na Garage do Vinhos localizada na Av. Ceará, 1171 no Bairro São João em Porto Alegre.

Essa loja apresenta um novo conceito na venda de vinhos, pois o cliente encontra caixas e mais caixas de vinhos nos corredores, como se fosse um grande depósito. O cliente pode comprar o vinho em caixa ou a garrafa, com bastante tranquilidade. O atendimento á muito bom e você não precisa ser um grande entendedor de vinhos para escolher seu vinho. Basta dizer o que você gosta ou procura.

O local possui uma diversidade de vinhos importados da Argentina, Uruguai e Chile. Em breve também, constarão vinhos de Portugal e França. O local conta também com um agradavel ambiente para degustação, com taças e decanter.



Se você gosta de vinho, eu sugiro passar na Garage do vinho e se divertir ;-)


segunda-feira, 26 de março de 2012

Vou pra Porto Alegre Tchau!


 
Nessa semana que Porto Alegre comemora 240 anos, e eu me pergunto... Porque não experimentar um vinho vinificado aqui na capital?!? Para você que não conhece ainda, Porto Alegre possui uma excelente vinícola no carismático bairro Vila Nova, chamada Villa Bari (http://www.villabari.com.br/).


 No sábado passado, fui até a vinícola e conversei com a enóloga Natália Frighetto que me explicou um pouco sobre o terroir da capital. Basicamente a região da Vila Nova possui um clima úmido, com dificuldade de amplitude térmica. O solo é areno argiloso com grande mineralidade. O solo da vinícola conta também com uma cobertura verde (grama). As cepas que adaptaram melhor ao terroir de Porto Alegre foram o Merlot, Tannat, Cabernet Sauvignon e Franc.


A Vinícola Villa Bari opera desde 2000, sendo que a primeira vinificação ocorreu em 2004. O diferencial do vinho deles, é que eles não chapitalizam ou passam o vinho por carvalho. Eles passificam a uva. Além disso, ele não precisam induzir a fermentação malolática.


Bom, mas vamos a degustação. Eu experimentei dois vinhos da safra de 2005. u recomendo você que gosta de vinho experimentar os rótulos da Villa Bari. Eles surpreendem por sua estrutura e complexidade de aromas. Abraços e até a próxima  :-)

Rótulo: Villa Bari Merlot 2005
Produtor: Villa Bari
Região: Vila Nova - Porto Alegre
Exame Visual: Coloração rubi, límpido, profundo.
Exame Olfativo: Aroma de madeira, pimentão e frutas vermelhas. Possui nitidez média e intensidade baixa. Complexo.
Exame Gustativo: Acidez e amargor em equilíbrio. Tanicidade e persistência de média para alta. 

Rótulo: Villa Bari Cabernet 2005
Varietal: Cabernet Sauvignon e Franc
Produtor: Villa Bari
Região: Vila Nova - Porto Alegre
Exame Visual: Coloração rubi, límpido, não sendo profundo.
Exame Olfativo: Aroma de madeira, baunilha e herbácio. Possui nitidez e intensidade alta. Complexo.
Exame Gustativo: Acidez e amargor em equilíbrio. Tanicidade e persistência de média para alta. 

segunda-feira, 5 de março de 2012

Degustação de Carmeneres




A primeira degustação de Março da qual participei ocorreu no dia 02/03 com vinhos Carmenere de distintos terroir chilenos. Os rótulos alvo foram escolhidos em minha viagem ao Chile, e tentam abordar diferentes propostas de Carmeneres. Segue a lista dos vinhos:

  •   Casa Silva Reserva 2009 Colchagua Valley
  •  Santa Emiliana 2010 D.O Valle Central
  • Casillero del Diablo 2010 Valle de Rapel


Esse encontro ocorreu no aconchegante Colônia Villa Nova Armazém e Café (http://coloniavillanova.blogspot.com/) na Zona Sul de Porto Alegre. Esse estabelecimento possui dois ambientes para degustação, sendo um uma cobertura ao ar livre e outro um deck decorado com móveis antigos. Sem dúvida uma ótima sugestão para ás pessoas de bom gosto que querem curtir bons momentos.



Abaixo seguem ás avaliações dos rótulos. Se eu pudesse resumir em poucas palavras a degustação, o que posso dizer é que todos os vinhos dentro de sua proposta atendem seus requisitos e podem até surpreender. Então amigos, experimente um Carmenere hoje :-).


Nota: 81

Rótulo: Santa Emiliana D.O Valle Central
Varietal: Carmenere
Safra : 2010
Produtor: Santa Emiliana
Região: Valle Central
Observação: Engarrafado pela Vinícola Concha y Toro. Possui 13,5% de álcool e o valor de $6,00 pesos chilenos. Rolha de cortiça aglomerada.
Exame Visual: Coloração violácia, límpido, profundo com untuosidade média.
Exame Olfativo: Primeiro ataque o bouquet apresenta a presença de especiarias (baunilha, carvalho). Após respirar alguns segundos, surge o aroma de frutas vermelhas passadas. Curto e fechado (Possui nitidez média e baixa intensidade).
Exame Gustativo: Acidez e amargor em equilíbrio. Delgado. Baixa complexidade. 
Avaliação Final: Vinho pronto. Pouca estrutura e provavelmente passou por ships de carvalho. É um vinho para ser consumido jovem. Harmoniza com pratos pouco estruturados. 


Nota: 92

Rótulo: Casillero del Diablo 2010 Reserva
Varietal: Carmenere
Safra : 2010
Produtor: Concha y Toro
Região: Valle Rappel
Observação: Possui aproximadamente 14 meses de passagem por carvalho americano. Possui 13,5% de álcool e o valor de $12,00 pesos chilenos.
Exame Visual: Coloração violácia, límpido, profundo, carnoso, com untuosidade média.
Exame Olfativo: O bouquet apresenta a presença de especiarias e o aroma de frutas negras. Após evoluir alguns segundos na taça, surge o aroma herbáceo e de café.  Possui nitidez boa e boa intensidade.
Exame Gustativo: Acidez e amargor em equilíbrio. Possui um retrogosto adocicado.Estruturado, complexo, persistente. 
Avaliação Final: Pronto e redondo. Harmoniza com pratos estruturados a base de carne vermelha, pratos com potência gustativa e aromática.

Nota: 93

Rótulo: Casa Silva 2009 Reserva
Varietal: Carmenere
Safra : 2009
Produtor: Casa Silva
Região: Colchagua Valley
Observação: Possui 14% de álcool e o valor de $20,00 pesos chilenos.
Exame Visual: Coloração violácia, límpido, profundo, carnoso, com untuosidade média.
Exame Olfativo: O bouquet apresenta a presença de especiarias e o aroma herbáceo. Complexo. Possui nitidez boa e boa intensidade.
Exame Gustativo: Acidez e amargor em equilíbrio. Estruturado, complexo, persistente. 
Avaliação Final: Pronto e redondo. Harmoniza com pratos estruturados com potência aromática e gustativa.

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Cave Geisse, a excelência que vem de Pinto Bandeira



Para os amigos que não conhecem a região de Pinto Bandeira no Rio Grande do Sul, fica a dica de viagem. Este é um distrito do município de Bento Gonçalve, que possui um clima classificado como subtropical de altitude, e suas temperaturas absolutas variam entre -4°C e 36°C. 




O grande destaque de Pinto Bandeira em termos de viticultura, são os espumante Cave Geisse, que   são produzidos através do método tradicional (Champenoise). Alguns dos fatores da excelência do vinho estão no uso de vinhedos ecológicos com uso de máquinas com jato de ar quente (TPC – Termal Proccess Control), que eliminam a presença de fungos sem o uso de tantos produtos químicos. Também o pé de cuba que fica fermentando por 20 - 30 dias, para acostumar a levedura com álcool, pH, acidez, pouco açúcar.  Soma-se ainda o rioroso controle de temperatura durante todo o processo. Além disso, a fermentação que dura 3 meses na garrafa, contribuindo para perlage. E pó último a autólise que varia entre 2 e 3 anos, dando complexidade ao espumante.   
Além de visitar a Cave Geisse, eu recomendo experimentar os espumantes :). Eu adquiri o Brut Nature e abaixo eu apresento minha avaliação do espumante. Se eu pudesse resumir em uma palavra, seria "excelente" :).

Abraços a todos.


NOTA: 94

Rótulo: Cave Geisse - Brut Nature              
Safra: 2009
Produtor: Cave Geisse
Região: Pinto Bandeira/RS - Brasil
Observação: Produzido a partir das variedades Chardonnay e Pinot Noir. Possui 12,5% de álcool, e um valor de mercado de R$40,00.
Exame Visual: Amarelo Palha, perlage perfeita (pequenas bolinhas constantes) e a coroa bem formada,
Exame Olfativo: No primeiro ataque foi uma explosão aromática, com destaque para o aroma defumado e logo após um cítrico, como abacaxi. O frescor ganha destaque no segundo ataque. É um espumante com nitidez e intensidade boa e persistência entre média e boa. Complexo.
Exame Gustativo: O amargor se destaca e em um segundo momento a acidez toma conta. É complexo. Possui persistência boa. É um espumante bem crocante que preenche a boca. Outra característica é a refrescância em boca.
Avaliação Final: Espumante pronto, redondo. Harmoniza bem com pratos de  média estrutura (carnes brancas e vermelhas), sushi, temaki, sashimi, massas, lasanhas, sobremesas como mouses de chocolate e maracujá.

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012


A força do Terroir da Campanha Gaúcha


A Campanha Gaúcha vem cada vez mais surpreendendo na área da viticultura, por proporcionar vinhos estruturados de qualidade invejável. Como Sommelier, essa região sempre me despertou uma curiosidade de conhecer pessoalmente o Terroir daquela região.

Felizmente após um contato com o pessoal da Vinícola Nova Aliança (http://www.novaalianca.coop.br/web/default.asp), localizada na cidade de Santana do Livramento, surgiu a oportunidade de conhecer um pouco do segredo da região e dos vinhedos lá localizados. Aliás, a vinícola abre suas portas gratuitamente para quem quiser conhecer sua infraestrutura, proporcionando alojamento. Para quem gosta de viajar e vinhedos, é uma ótima sugestão de passeio.

Mas voltando a região da Campanha, ela está situada a uma altitude de aproximadamente 280m, com grande amplitude térmica, solo do tipo arenoso, topografia levemente ondulada que favorece uma boa drenagem, invernos frios e rigorosos (favorecem a dormência das videiras), e verões quentes e secos (favorecendo a maturação das uvas). Contudo, sem uma excelente manipulação do homem, de nada iria adiantar todas essas vantagens da região. Aí entra a mão da equipe do Enólogo Flávio Novello, que busca safra após safra a perfeição nos vinhos produzidos.


Exemplo de vinhos premiados da Nova Aliança podem ser encontrados em:





Após caminhar pela vinícola, observando o comprometimento dás pessoas, o processo de trabalho organizado e os parreirais, eu vejo que a região da Campanha já é uma realidade em excelência na produção de vinhos. Eu convido a todos que gostam de vinhos, que experimentem um vinho dessa região. Para mim foi uma ótima experiência, que me permitiu aprender mais sobre vinhos e acrescentar algumas garrafas há mais em minha adega. :)

Uma sugestão interessante, é que quem visite a Nova Aliança, também conheça a Associação de Vinhos Finos da Região da Campanha Gaúcha localizada no centro de Livramento. Lá o visitante pode conhecer vários vinhos da região :).

Abaixo seguem algumas avaliações que fiz na degustação dos vinhos da Santa Colina. Convido há todos para experimentarem também. Abraços. 




NOTA:88

Rótulo: Santa Colina Chardonnay Tradicional    
Safra: 2011
Produtor: Santa Colina
Região: Santana do Livramento:
Observação: Possui passagem por ships de carvalho americano e francês. Tem 12,5% de álcool, e um valor de mercado de R$10,80.
Exame Visual: Coloração palha com halos dourados límpido.
Exame Olfativo: Aroma de manteiga, frutas cítricas. Seu bouquet apresenta uma alta nitidez e uma persistência ligeira.
Exame Gustativo: Acidez com um leve amargor de fim de boca, possuindo equilíbrio. Sabor amanteigado com persistência média. Vinho de boca fácil.
Avaliação Final: Vinho pronto, que corresponde em boca ao que apresenta em nariz. Harmoniza bem com carnes brancas. É uma excelente relação custo benefício.


NOTA:92

Rótulo: Santa Colina Chardonnay Estilo             
Safra: 2011
Produtor: Santa Colina
Região: Santana do Livramento:
Observação: Possui passagem por ships de carvalho americano e francês. Tem 13% de álcool, e um valor de mercado de R$14,00.
Exame Visual: Coloração palha com halos dourados límpido.
Exame Olfativo: Complexo (aroma de manteiga, frutas cítricas, herbáceo, mineralidade e tostado). Seu bouquet apresenta uma alta nitidez e uma persistência ligeira.
Exame Gustativo: Complexo (apresenta acidez, mineralidade, com um leve amargor de fim de boca, possuindo equilíbrio). Possui persistência entre média e alta.
Avaliação Final: Vinho pronto, que corresponde em boca ao que apresenta em nariz. Harmoniza bem com carnes brancas. É uma excelente relação custo benefício.

NOTA:64

Rótulo: Santa Colina Tannat Tradicional             
Safra: 2011
Produtor: Santa Colina
Região: Santana do Livramento:
Observação: Apresenta 10% de Merlot. Possui passagem por ships de carvalho americano e francês. Tem 12,5% de álcool, e um valor de mercado de R$10,80.
Exame Visual: Coloração ruby com reflexos violácios. É límpido, com baixa profundidade e levemente viscoso.
Exame Olfativo: Complexo (aroma de frutas vermelhas, baunilha, herbácio, mentolado). Seu bouquet apresenta uma média nitidez e uma persistência ligeira.
Exame Gustativo: Apresenta acidez e amargor em equilíbrio. Possui persistência média e pouca tanicidade.
Avaliação Final: Vinho pronto, adamado. É uma excelente relação custo benefício.


NOTA:69

Rótulo: Santa Colina Tannat Estilo                      
Safra: 2009
Produtor: Santa Colina
Região: Santana do Livramento:
Observação: Possui passagem por ships de carvalho francês tostado. Tem 13,5% de álcool, e um valor de mercado de R$14,00.
Exame Visual: Coloração ruby. É límpido, com média profundidade e levemente viscoso.
Exame Olfativo: Complexo (aroma de frutas vermelhas, baunilha, couro, herbácio, mentolado). Seu bouquet apresenta uma média nitidez e uma persistência ligeira.
Exame Gustativo: Apresenta acidez e amargor em equilíbrio. Possui média persistência e tanicidade. É um vinho quente.
Avaliação Final: Vinho pronto, que harmoniza bem com pratos de média estrutura (carnes vermelhas e condimentos não muito fortes). É uma excelente relação custo benefício.


NOTA: 83

Rótulo: Santa Colina Tannat Reserva                  
Safra: 2007
Produtor: Santa Colina
Região: Santana do Livramento:
Observação: Possui passagem de 6 meses em carvalho francês. Sua rolha é de cortiça inteira. Tem 14% de álcool, e um valor de mercado de R$40,00.
Exame Visual: Coloração ruby. É límpido, com alta profundidade e alta viscosidade.
Exame Olfativo: Complexo (aroma de frutas vermelhas, baunilha, couro, herbácio, mentolado, defumado). Seu bouquet apresenta uma média nitidez e persistência.
Exame Gustativo: Complexo (apresenta acidez e amargor em equilíbrio). Possui persistência entre média e alta, e alta tanicidade. É um vinho quente.
Avaliação Final: Vinho que pode evoluir mais dois anos em garrafa. Harmoniza com pratos estruturados a base de carnes vermelhas.
 





segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Santiago é a cidade do vinho

Quando eu andava pelos bairros boêmios de Santiago no Chile (entre eles o Bella Vista), me daparei com uma situação que até agora não tinha vivido. Nos bares era predominante a presença de vinho nas mesas, ao contrário do Brasil que reina a cerveja.

O mais interessante é que não eram apenas os casais que consumiam vinho, grupo de amigos conversavam e riam rodeados por rótulos de vinhos chilenos, prestigiando o produto de qualidade do país. Nesse momento senti inveja (inveja branca :) ).

Outra coisa que me chamou a atenção foi o serviço do Sommelier chileno. Ao contrário do que regem ás regras, eles colocam a rolha "grudada" na garrafa, como pode ser observado abaixo. Os clientes adoram essa firula, eu mesmo achei muito legal, mas infelizmente não é o correto no serviço de vinhos. O correto seria colocar a rolha sobre um píres, ou recepiente.



 




sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012



O Gigante Concha y Toro
 
Nas minhas buscas por conhecimento de viticultura, acabei indo para o Chile e me deparando com um gigante chamado Conha y Toro. Essa é a segunda maior vinícola em extensão do mundo (segundo eles me informaram) e exporta seus vinhos para 130 países. Além disso tudo, um de seus rótulos o Casileiro del Diablo serve de patrocínio para o clube de futebol inglês Manchester United.
Mas você pode estar se perguntando, qual o segredo deles? O que esses chilenos têm que nós não temos... e eu respondo com uma simples palavra, “Terroir”. Imaginem um país por um lado cercado por cordilheiras (entre elas a dos Andes) e por outro lado pelo Oceano Pacífico. O Chile abriga dentro de suas fronteiras, pelo menos, sete subtipos climáticos, que variam do deserto no norte, a tundra alpina e geleiras no leste e sudeste, subtropical úmido na Ilha de Páscoa, Oceânico no sul e Mediterrânico no centro. Ou seja, um sistema quase a prova de pragas que poderiam atrapalhar no plantio das vinhas, que se dá ao luxo de dispensar porta enxertos... pois esse é o Terroir do Chile.
Outro segredo da Concha y Toro é o sistema de irrigação, que deposita dois litros de água 3 vezes por semana na raiz da videira. Além disso, os vinhos passam entre 14 e 16 meses em barrica de carvalho, com intuito de passar mais complexidade ao vinho. Após serem armazenados nas barricas, os barris vão para salas especialmente climatizadas. Um exemplo disso, é o Casileiro del Diablo que vai para uma cave subterrânea especial, que possui uma temperatura estável e é aprova de terremotos (Já suportou alguns terremotos). São pequenos detalhes que somados formam o vinho de excelência que os chilenos produzem.
Aí então fica uma dica interessante, experimentar os produtos da Concha y Toro e avaliar por si mesmo a qualidade dos vinhos. Eu recomendo J.
Até a próxima!!!!